Um Curso
em Milagres

Edição online autorizada
Livro de Exercícios

LIÇÃO 181

Confio em meus irmãos, que são um comigo.

1. 1Confiar nos teus irmãos é essencial para estabelecer e manter a tua fé na tua capacidade de transcender a dúvida e a falta de convicção em ti mesmo. 2Quando atacas um irmão, proclamas que ele é limitado pelo que percebeste nele. 3Tu não olhas além dos erros que ele faz. 4Pelo contrário, esses erros são ampliados e tornam-se bloqueios que obstruem para ti a tua conscientização do Ser que está além dos teus próprios equívocos e além dos seus pecados aparentes, assim como dos teus.

2. 1A percepção tem um enfoque. 2É isso que dá consistência ao que vês. 3Apenas muda esse enfoque e o que contemplas mudará consequentemente. 4A tua visão agora se deslocará para apoiar a intenção que substituiu aquela que tinhas antes. 5Retira o teu enfoque dos pecados do teu irmão e experimentarás a paz que vem da fé na impecabilidade. 6Essa fé recebe o seu único apoio seguro daquilo que vês nos outros além dos pecados. 7Pois os equívocos que eles cometem, se focalizados, são testemunhos dos pecados em ti. 8E não transcenderás esse modo de vê-los e não verás a impecabilidade que está além.

3. 1Portanto, ao praticarmos no dia de hoje, primeiro deixaremos todos esses pequenos enfoques darem lugar à nossa grande necessidade de permitir que a nossa impecabilidade se torne aparente. 2Instruímos as nossas mentes de que é isso o que buscamos e só isso, por apenas um momento. 3Não nos importamos com as nossas metas futuras. 4E o que vimos no instante anterior nos é indiferente durante esse intervalo de tempo em que praticamos mudar a nossa intenção. 5Buscamos a inocência e nada mais. 6Nós a buscamos sem outra preocupação senão o agora.

4. 1Um dos maiores obstáculos ao êxito tem sido o envolvimento com as tuas metas passadas e futuras. 2Tu tens te preocupado bastante reconhecendo o quão extremamente diferentes são as metas propostas por esse curso em relação àquelas que tinhas antes. 3E também ficaste consternado diante do pensamento deprimente e restritivo de que, mesmo que venhas a ter êxito, inevitavelmente perderás o teu caminho de novo.

5. 1Como isso poderia ter importância? 2Pois o passado se foi; o futuro é apenas imaginário. 3Essas preocupações não passam de defesas contra uma mudança no atual enfoque da percepção. 4Nada mais. 5Deixamos essas limitações sem sentido de lado por um momento. 6Não olhamos para crenças passadas e aquilo em que acreditaremos não interferirá em nós agora. 7Entramos no tempo da nossa prática com uma única intenção: contemplar a impecabilidade interior.

6. 1Reconheceremos que perdemos essa meta se, de alguma forma, a raiva bloquear o nosso caminho. 2E se os pecados de um irmão nos ocorrerem, o nosso enfoque estreito restringirá a nossa vista e voltaremos os olhos para os nossos próprios equívocos, que magnificaremos e chamaremos de nossos “pecados”. 3Assim, por um momento, sem considerarmos passado ou futuro, se esses bloqueios surgirem, nós os transcenderemos instruindo as nossas mentes a mudarem de enfoque, dizendo:

4Não é para isto que eu quero olhar.
5Confio em meus irmãos, que são um comigo.

7. 1Também usaremos esse pensamento para nos manter a salvo durante o dia. 2Não buscaremos metas a longo prazo. 3À medida que cada obstrução parecer bloquear a visão da nossa impecabilidade, buscamos apenas fazer cessar, por um instante, a miséria que o enfoque sobre o pecado trará, o qual, se não for corrigido, permanecerá.

8. 1Também não pedimos fantasias. 2Pois o que buscamos contemplar está verdadeiramente presente. 3E, à medida que o nosso enfoque vai além dos equívocos, contemplaremos um mundo totalmente sem pecado. 4Quando tudo o que quisermos ver for apenas isso, quando isso for tudo o que buscamos em nome da verdadeira percepção, os olhos de Cristo serão inevitavelmente nossos. 5E o Amor que Ele sente por nós também se tornará nosso. 6Isso será a única coisa que veremos refletida no mundo e em nós mesmos.

9. 1O mundo que outrora proclamou os nossos pecados torna-se a prova de que somos sem pecado. 2E o nosso amor por todos aqueles para os quais olhamos atesta a nossa memória do santo Ser que desconhece o pecado e que nada poderia conceber fora da Sua impecabilidade. 3Buscamos essa memória ao voltarmos as nossas mentes para a prática de hoje. 4Não olhamos nem para frente nem para trás. 5Olhamos diretamente para o presente. 6E depositamos a nossa confiança na experiência que pedimos agora. 7A nossa impecabilidade é apenas a Vontade de Deus. 8Nesse instante, a nossa vontade é una com a Sua.